Economia de R$ 2 mi, com adiamento do reajuste de vereadores, prefeito, vice e secretários


A Câmara de Feira de Santana vai reduzir em praticamente  R$ 1 milhão (precisamente R$ 998 mil) a despesa que terá, em 2021, com o subsídio dos vereadores. A economia é possível em virtude do adiamento, em um ano,  da aplicação do reajuste de 26% aprovado pela legislatura anterior e que valeria a partir de 1º de janeiro (LEIA MAIS) . Como o prefeito, vice e secretários  também permanecerão este ano com o mesmo salário de 2020, o Município economizará no período R$ 963 mil. No total, são quase R$ 2 milhões a menos em despesas para os cofres públicos. Vencimentos dos superintendentes e presidentes de fundações e autarquias não estão na conta, mas serão igualmente congelados nos próximos 12 meses, o que aumenta o valor da redução. O adiamento  foi anunciado nesta segunda (11), pela Mesa Diretiva, tendo à frente o presidente Fernando Torres (PSD). Ele justifica que não seria "justo nem ético" o reajuste, uma vez que lei federal proíbe elevar o salário do funcionalismo público em razão da crise econômica que o município  e o país  atravessam, por causa da pandemia de coronavírus. Os 21 vereadores decidiram que somente em 1º de janeiro de 2022 será aplicado o reajuste. A última atualização do subsídio dos vereadores ocorreu em 2013.


Compartilhe

Mais Notícias